A WE Impact, venture builder dedicada a mulheres fundadoras de startups, abriu uma nova seleção de empreendedoras para receberem investimento e suporte no desenvolvimento de seus negócios. A empresa busca startups com modelos B2B ou B2B2C que tenham mulheres com no mínimo 20% de participação societária e em cargo de liderança.  Além disso, as startups precisam ter tecnologia embarcada, hardware ou software.

As inscrições ocorrem pelo site www.weimpact.tech até 12 de dezembro. A WE Impact já investiu R$ 1.2 milhão no empreendedorismo feminino tecnológico, e já atuou no desenvolvimento de 18 startups.

Após o investimento, a WE Impact  realiza um trabalho de acompanhamento e desenvolvimento, chamado de Venture Management , atuando em conjunto com as fundadoras, seus sócios e principais executivos. Por meio de uma metodologia de gestão ativista e de sua rede de parceiros e mentores, a venture builder apoia o crescimento das empreendedoras nos três principais pilares para o sucesso de startups: conhecimento específico, networking e acesso a capital. Ou seja, ajuda as startups investidas a estruturar seus negócios, tomar melhores decisões e resolver problemas reais de grande escala de corporações, promovendo a conexão direta entre elas. 

Essa conexão acontece por meio da parceria exclusiva da empresa com o WE Ventures, fundo dedicado a investimentos em mulheres na tecnologia da América Latina. O WE Ventures foi criado pela Microsoft, e conta com a Flex, o Grupo Sabin e a Multilaser como investidoras, além de uma rede de advisors. A WE Impact tem ainda parceria operacional com a Microsoft, maior empresa de tecnologia do mundo, e com a Flex, para o aperfeiçoamento das tecnologias empregadas nas soluções das startups investidas. 

O modelo de venture building da WE Impact é diferente do tradicional, porque a empresa reúne investimentos de diversas corporações e não busca participação majoritária nas startups investidas. Ela se dedica a apoiar a estruturação do negócio e ajudá-lo a se preparar para o próximo round de investimento.

“Não é só sobre negócios. É sobre construir um ambiente que seja acolhedor para as mulheres, colocando as necessidades delas em primeiro lugar. Precisamos ter mulheres interagindo com mulheres, investindo em mulheres, assistindo a mulheres — é sobre quebrar paradigmas do venture capital, trazendo uma nova forma de construir e viver o ecossistema de startups. Só assim teremos a real inovação”, comenta Lícia Souza, CEO e fundadora da WE Impact. 

A empresa tem como objetivo tornar o Brasil referência em empreendedorismo feminino na tecnologia. “Procuramos empreendedoras dispostas a liderar empresas inovadoras que resolvem problemas reais em escala significativa. Estamos apostando em suas startups e no impacto que suas soluções podem gerar no mercado e na sociedade como um todo”, finaliza Lícia. 

Leia as últimas notícias no Inovação Aberta

Crédito da foto: Image by Ernesto Eslava from Pixabay

Paulo Roberto Silva

Paulo Roberto Silva é jornalista e empreendedor. Graduado em Jornalismo pela ECA USP e mestre em Integração da América latina pelo PROLAM USP.