A verdade nua e crua que precisa ser admitida: as empresas que ainda não utilizam serviços de Cloud (armazenamento e processamento de dados na nuvem) estão defasadas.

Há estimativa de que 10% das organizações ainda utilizam servidores físicos. Por um lado, é surpreendente uma situação como essa mesmo que a expressão “transformação digital” tenha sido uma das mais difundidas nos últimos 14 meses. 

Por outro lado, o índice pode parecer pequeno. Entretanto, é considerável quando levamos em conta o impacto negativo que o atraso na adoção da transformação digital traria às vidas dos colaboradores e fornecedores. 

Necessidade imediata

No começo de 2020, “transformação digital” não era uma urgência para as empresas. Situação diferente da atual em que ela é uma obrigação imediata.

Com o cenário de pandemia da Covid-19 em 2021, algumas tendências que antes eram passageiras se consolidaram. Uma delas é o trabalho remoto. As empresas precisaram parar de adiar a adoção da transformação digital e começaram a pisar o pé no acelerador na sua implementação. 

De uma hora para outra, os gestores se viram no desafio de disponibilizar   informações de uso profissional por meio de serviços de armazenamento em nuvem. 

Foi uma quebra de tabu para muitos que defendiam o modelo de ter dados guardados em servidores físicos, aqueles caros para montar e onerosos em suas manutenções.  

Uma pesquisa encomendada pela Citrix mostra que 69% dos trabalhadores se sentem melhor ao trabalhar em casa e após a pandemia aceitariam migrar para um modelo híbrido de trabalho.

Ou seja, esse cenário provavelmente deve permanecer. Mais do que nunca, as empresas precisam – e devem – estar preparadas para utilizar da melhor forma os recursos da nuvem.

Momento de se transformar (digitalmente)

O número de informações armazenadas em nuvem até o final deste ano será 4,6 vezes maior ao registrado em 2016. 

Hoje, 90% das médias empresas brasileiras afirmam ter, pelo menos, algum tipo de aplicação em cloud – de acordo com uma pesquisa realizada pela Dell. 

Já o estudo Desempenho Global sobre Computação em Nuvem, da BSA, mostrou que o Brasil está se destacando cada vez mais no uso da tecnologia. Ou seja, o momento é agora! 

Um outro fator, não menos importante, revela de fato que quem não está armazenando dados na nuvem está ultrapassado e pertence a uma fatia pequena do mercado.

É por isso que vale a pena mencionar quais são os benefícios quando se adota o Cloud na rotina empresarial. E a lista vai além de garantir um ambiente mais seguro, acesso às informações mais rápidas e redução de custos. 

Vantagens competitivas da nuvem

Por mais que quando se fala em transformação digital há uma energia de otimismo, é preciso ser cético em um aspecto: ir ou estar na nuvem apenas para acompanhar o mercado não resolverá os problemas de uma empresa.

Há outras vantagens competitivas.

Além da segurança e o acesso remoto aos dados, aumento da produtividade – já que tudo estará disponível online -, e a redução de custos, é possível aproveitar a nuvem para se destacar da concorrência.

Também é viável desenvolver projetos de modernização vitais para as rotinas corporativas. Para fins de exemplo: construção de aplicativos, a utilização de sistemas CRM e ERP e muitas outras aplicações. 

Para a empresa, isso significa que ela tem a  oportunidade de fazer algo diferente no mercado, ganhando então um diferencial atrativo.

Outra vantagem que o universo da cloud computing proporciona é dar embasamento para análise de dados e facilitar suas interpretações. Afinal, por que um determinado produto e/ou serviço de uma empresa performa melhor que o outro?

Por meio de Machine Learning, é possível examinar as informações disponíveis e identificar padrões para tomar decisões assertivas, com o mínimo de intervenção humana e diminuindo possibilidades de erros. 

Na medida que percebemos os benefícios que existem ao optar por armazenar os dados em Cloud, torna-se mais clara as suas necessidade e importância para as empresas.

Para fazer o uso correto e extrair o máximo de desempenho dos recursos que o serviço pode oferecer, é ideal que as empresas busquem por parceiros que façam muito mais que só o armazenamento de dados.

Hoje já existem no mercado empresas que oferecem aos clientes a transformação digital de forma simples, ágil e humanizada.

Afinal, para performar nesta área, que envolve muita tecnologia, não basta ter apenas consultoria técnica na urgência da implementação. 

Este é um processo que requer parceiros certificados pelo Google e que saibam prestar suporte rápido e atencioso em um momento em que tudo no mundo está em transformação (muito além do digital).  

Artigos Relacionados

Crédito da foto: Divulgação Sauter

Emerson Lima

Emerson Lima, é fundador e CEO na Sauter Digital, startup de transformação digital especializada em serviços de dados, DevOps e nuvem.