A Panasonic, junto com a Organização de Desenvolvimento de Novas Energias e Tecnologias Industriais (NEDO), conseguiu converter 16,09% de energia luminosa em elétrica em placas de energia solar. Trata-se da maior taxa de conversão de energia solar do mundo em paineis com potencial de aplicação comercial.

O material utilizado foram placas de perovskita, com um substrato de vidro e um revestimento a base de jato de tinta. O módulo de perovskita permite instalar módulos de energia solar em locais de difícil instalação de paineis, como fachadas de construção. Além disso, comunicado da Panasonic informa que o método de revestimento por jato de tinta reduz o custo de produção do módulo.

A perovskita tem sido utilizada como opção mais barata que o silício para a produção de paineis solares. Há pesquisas em todo o mundo, inclusive na Unicamp, sobre a aplicação do mineral para geração de energia solar. AS primeiras pesquisas sobre o uso do material para a produção de paineis solares foram publicadas em 2009.

A perovskita é um óxido de cálcio e titânio, descoberto nos anos 1960 na região dos montes Urais, na Rússia. É um metal bastante raro, e uma das poucas regiões em que ocorre é o estado de Minas Gerais, no Brasil.

Segundo o comunicado da Panasonic, a maior dificuldade da aplicação da perovskita na geraççao de energia solar é a dificuldade para depositar o material de forma uniforme em uma área grande. Por isso a companhia trabalhou com a NEDO para desenvolver a solução de revestimento por jato de tinta, que permitiu contornar essa dificuldade. Em áreas pequenas a taxa de conversão de energia luminosa em solar pela perovskita já tinha superado 25%.

A empresa informou que as células solares de perovskita. têm uma vantagem estrutural, porque sua espessura é apenas um centésimo da das células solares de silício. Com isso, os módulos de perovskita podem ser mais leves que os módulos de silício cristalino. Esta característica viabiliza vários estilos de aplicação, como a instalação em fachadas e janelas, usando eletrodo condutor transparente.

Leia também: Criador do iPod investe em startup de baterias de alta capacidade

Crédito da foto: Divulgação Panasonic

Paulo Roberto Silva

Paulo Roberto Silva é jornalista e empreendedor. Graduado em Jornalismo pela ECA USP e mestre em Integração da América latina pelo PROLAM USP.