A Oi informou ao mercado que recebeu uma oferta pela UPI InfraCo de um consórcio liderado pelo BTG Pactual, e que fechou um contrato de negociação com exclusividade com eles.

No fato relevante anterior havia sido informada apenas que propostas foram recebidas, mas não foram detalhados os autores das ofertas nem os valores propostos. Desta vez, a empresa abriu os participantes do consórcio, mas não informou detalhes sobre preços e condições da oferta.

Foram listados a “Globenet Cabos Submarinos S.A., BTG Pactual Economia Real Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia e outros fundos de investimento geridos ou controlados por sociedades integrantes do Grupo BTG”. A Globenet é uma operadora de telecomunicações controlada pelo banco.

O fato relevante também informou que após as negociações, o consórcio terá “o direito de cobrir (right to top) outras propostas recebidas no processo competitivo de alienação da UPI InfraCo”. Ou seja, o texto dá a entender que outras propostas foram recebidas, com valor maior ou condições melhores que as apresentadas pelo grupo de empresas do BTG Pactual.

O acordo de exclusividade vale até 30 de março de 2021, podendo ser prorrogado por mais 30 dias.

Venda de participação da InfraCo é a última fase da recuperação da Oi

Pelo aditivo do plano de recuperação judicial aprovado pelos credores em 2020, a venda de até 51% das ações da InfraCo, que reúne os ativos de fibra ótica da empresa, é a última fase da agenda de desinvestimentos.

Também foram vendidos os datacenters, assumidos pela Titan, as torres de telefonia móvel, compradas pela Highline, e o negócio de telefonia móvel, adquirido pelas operadoras Vivo, Tim e Claro.

Após os desinvestimentos a Oi estará focada na operação de fibra ótica, por meio da participação na InfraCo, e na operação de telefonia, dados banda larga e IPTV.

Artigos relacionados

Crédito da foto: Divulgação BTG Pactual

Paulo Roberto Silva

Paulo Roberto Silva é jornalista e empreendedor. Graduado em Jornalismo pela ECA USP e mestre em Integração da América latina pelo PROLAM USP.