O Nubank tornou 80% dos seus funcionários sócios da fintech, como parte de sua política de reconhecimento. Esses colaboradores receberam ações do tipo “restricted stock units” (RSU), um modelo de título no qual só é convertido em participação societária efetiva após o cumprimento de metas.

“O diferencial do Nubank é ser humano, e isso começa dentro de casa. Acreditamos que um ambiente de trabalho seguro, inclusivo e respeitoso que estimula a inovação e que busca o desenvolvimento profissional de todos em nossos times é o caminho da transformação que estamos liderando”, afirma David Vélez, fundador e CEO do Nubank.

“Acreditamos que fazemos parte do mesmo time e estamos remando na mesma direção”, explica Vélez, “então nada mais justo que dividir o fruto deste trabalho com o maior número possível de empregados.”

O Nubanktornou 100% de seus funcionários elegíveis ao programa de RSUs. Na empresa, todos os times e profissionais têm a oportunidade de se tornar acionistas, inexiste distinção de cargo ou área.  Essa prática está sendo debatida para regulamentação no marco legal das startups.

“Construímos relações duradouras com nossos colaboradores, pautadas no reconhecimento e valorização dos nossos times. Isso gera um índice de engajamento alto, de 82%, e uma rotatividade de pessoal baixíssima de 5% mesmo em um ano tão desafiador como 2020”, destaca o CEO.

No ano de 2020, cerca de 950 profissionais ingressaram no time da fintech para acelerar a expansão da companhia, que chegou a 30 milhões de clientes no ano passado. “Decidimos concentrar nossos esforços de aquisição de talentos em funções prioritárias e que forneceram o impacto estratégico. Buscamos líderes que atuaram como multiplicadores da nossa cultura e das nossas habilidades de resolução de problemas –  e isso foi ótimo para os nossos clientes”, afirma o fundador do Nubank.

Leia as últimas notícias no Inovação Aberta

Crédito da foto: Divulgação Nubank

Paulo Roberto Silva

Paulo Roberto Silva é jornalista e empreendedor. Graduado em Jornalismo pela ECA USP e mestre em Integração da América latina pelo PROLAM USP.