O Nubank contratou a empreendedora social Monique Evelle para coordenar a criação do centro de tecnologia e experiência do cliente da empresa em Salvador (BA), o NuLab, e atuar como consultora para as ações internas e externas de Diversidade e Inclusão do Nubank. 

Evelle também será mentora das startups selecionadas pelo fundo semente a ser criado pelo banco digital para apoiar negócios fundados ou liderados por pessoas negras. Ela foi a criadora do Desabafo Social, um laboratório de tecnologias sociais. Também é sócia da SHARP, um hub de inteligência cultural que utiliza métricas para soluções de marcas; e fundadora do Inventivos,  um ecossistema de aprendizagem. 

“Três fatores me levaram a fazer parte dessa jornada com o Nubank. O primeiro foi o desafio de construir iniciativas de inovação do zero e da grandiosidade que Salvador merece. Segundo, por trabalhar com profissionais de dentro e fora do Nubank. É uma troca potente, que nós precisamos vivenciar para que sejamos cada vez melhores no que fazemos. E, por fim, ter autonomia para criar e saber onde alocar o dinheiro. Dinheiro que iremos utilizar para acelerar o desenvolvimento de novas lideranças negras e apoiar financeiramente negócios liderados por empreendedores negros. Aceitar esse desafio me trouxe de volta para casa, me trouxe para recomeçar em Salvador”, afirma. 

A contratação de Evelle e a criação do NuLab fazem parte do plano anunciado pelo Nubank para combater o racismo estrutural no Brasil. 

“Desde que assumimos o compromisso de contribuir ativamente para construir um ambiente interno e externo mais inclusivo, estamos aprendendo muito. O Nubank é melhor hoje do que há três meses. E isso é fruto do empenho de todos os times para acelerar a nossa diversidade interna. Mas é apenas o começo, continuaremos trabalhando. E ter a Monique Evelle ao nosso lado é muito valioso para avançarmos nessa jornada”, afirma Cristina Junqueira, cofundadora do Nubank. 

Nos dias 5 e 6 de março, será realizado o “Nós Codamos”, um programa de recrutamento de pessoas que se identificam como pretos e pardos, focado em interessados em fazer parte da equipe de engenharia de software da companhia, que teve cerca de dois mil inscritos.

Além disso, a plataforma que o Nubank abriu, há três meses, exclusivamente para candidatura de pessoas autodeclaradas pretas e pardas, recebeu mais de 17 mil currículos. Os processos seletivos estão em andamento e até o momento mais de 950 pessoas já foram chamadas para a fase de entrevistas.

Artigos Relacionados

Crédito da foto: Divulgação/Mari Cobra

Paulo Roberto Silva

Paulo Roberto Silva é jornalista e empreendedor. Graduado em Jornalismo pela ECA USP e mestre em Integração da América latina pelo PROLAM USP.