Nexodata , healthtech de prescrição eletrônica, anunciou nesta quinta-feira uma nova captação Série A, de R$ 35 milhões. A operação teve a participação do MELI Fund, fundo de investimentos do Mercado Livre, Hospital Israelita Albert Einstein, Floating Point, FIR Capital e do “family office” do fundador da XP Inc., Guilherme Benchimol.

A empresa já contava com um time de investidores formado por LTS Investments, de Jorge Paulo Lemann, Arpex Capital, de André Street, além de IKJ Capital, Eduardo Mufarej, Juscelino Martins (Martins e Tribanco), Marcello Silva, Marco Kheirallah, Veronica Serra e Maurício Ceschin (ex ANS e Hospital Sírio Libanês), que acompanharam a rodada.

A startup foi fundada em 2017, por Pedro Dias e Lucas Lacerda, ex-cofundadores da healthtech Vitta, adquirida, em 2020, pela Stone. Além deles, o médico Dr. Antonio Carlos Endrigo também se juntou aos fundadores como sócio para iniciar a operação da empresa. Após esta captação Série A, os fundadores continuam com o controle da empresa.

“Nos últimos meses, temos vivido um cenário de acelerada digitalização, em todos os segmentos. Sentimos que este movimento foi ainda maior no setor da saúde. Os recursos desta captação devem nos ajudar a acompanhar as necessidades deste novo momento, permitindo ampliações estratégicas de atuação e facilitando o dia a dia de pacientes, profissionais da saúde e todo o setor farmacêutico”, sinaliza Pedro Dias, fundador e CEO da Nexodata.

A empresa ainda usará parte deste montante para lançar um marketplace, seu principal projeto para este ano. Por ele, pacientes com uma receita digital poderão comprar seus medicamentos em menos de um minuto e sem sair de casa. O plano é passar de R$ 400 milhões em medicamentos transacionados para 1.5 milhões de pacientes em 2021.

A empresa de receita digital funciona como um integrador entre médicos e farmácias, atuando em mais de 3 mil municípios brasileiros, por meio de uma rede de 25 mil farmácias. Ela integra com os diversos sistemas de hospitais, clínicas e telemedicina. Com isso, ela leva a receita digital para mais de 60 mil médicos, o que já representa aproximadamente 12% do número total destes profissionais no país.

Uma vez emitida a prescrição, o paciente recebe a receita de forma 100% digital por meio de um link enviado por SMS ou e-mail, pelo qual já consegue pesquisar informações e disponibilidade dos medicamentos receitados nas 25 mil farmácias conectadas. No último ano, durante a pandemia, este tipo de tecnologia possibilitou que milhões de pacientes pudessem continuar seus tratamentos, sem ao menos precisar sair de casa. Já para as farmácias, o serviço de validação e dispensação da receita eletrônica em loja física, é 100% gratuito e está disponível para todas as redes do Brasil.

A Nexodata recentemente contratou os executivos Cesar Giannotti (ex-Philips) como COO, e Eduardo Guilarducci (ex-Aché) como CTO. Ne sequência, a empresa viu sua base de clientes institucionais crescer 25 vezes em doze meses, alcançando mais de 250 contratos. Além disso, atualmente, mais da metade das empresas do segmento de saúde listadas na B3, a bolsa de valores brasileira, utilizam os serviços da empresa. Até o final do ano, a startup acredita que este número chegue a 70%.

“Temos uma solução robusta e capaz de suportar as grandes instituições de saúde em seus processos de digitalização. Embarcamos alta tecnologia para suportar os médicos na escolha do melhor tratamento para seus pacientes e, ao paciente, viabilizamos uma nova experiência com mais segurança e praticidade”, finaliza Cesar Giannotti, COO da Nexodata.

Artigos Relacionados

Crédito da foto: Technology photo created by pressfoto – www.freepik.com

Paulo Roberto Silva

Paulo Roberto Silva é jornalista e empreendedor. Graduado em Jornalismo pela ECA USP e mestre em Integração da América latina pelo PROLAM USP.