Por mais que o conceito de IoT (Internet das Coisas) não seja novidade há algum tempo, ele ainda é desconhecido e visto como complexo para muitas empresas e indústrias. Os gestores que querem estar à frente de seus concorrentes e o usam como aliado, viram fãs a partir do momento que percebem os seus benefícios. E estes são inúmeros! Então, por que não simplificar quando vamos abordar sobre esse universo?

A Internet das Coisas é uma revolução tecnológica que conecta objetos físicos à Internet (Sigfox, LoRaWAN e/ou NB-IoT) com o intuito de coletar e transmitir dados para a rede.

A partir destas informações, o objeto pode ser monitorado remotamente. Isso significa que os recursos da IoT abrem caminhos para muitos campos de aplicação além de permitirem a criação de novos modelos de negócios.

Para se ter uma ideia do impacto direto das tecnologias IoT em nossa sociedade e sua presença cada vez mais forte, uma estimativa da Gartner – empresa de pesquisa e consultoria – prevê que até 2025 o número de dispositivos em rede deva chegar a 100 bilhões. Em 2015, eram “apenas” 4,8 bilhões.

Essa previsão já pode ser previamente confirmada ao notarmos a presença crescente da IoT no nosso dia a dia. Basta olharmos ao nosso redor: já acessamos eletrodomésticos, relógios e acessórios que estão conectados à Internet e outros dispositivos (como smartphones, por exemplo).

Aplicações da IoT 

Diversos setores podem se beneficiar com as facilidades da IoT para obter dados relevantes. Nessa lista estão varejo, saúde, indústrias, shoppings, cidades inteligentes (as chamadas “smart cities”), entre outros. Com isso, estes segmentos conseguem fazer a diferença em um mercado competitivo e potencializar seus resultados ao entregar maior valor ao cliente. 

Uma das dores de mercado mais comuns destas empresas – que fazem com que estas considerem e adotem a IoT – é a dificuldade em obter dados com precisão para tomar decisões assertivas. 

Outros desafios que podem ser resolvidos com a empregabilidade desta tecnologia são a otimização operacional, produtividade dos colaboradores, viabilidade de vendas, segurança e monitoramento, gestão de estoque, monitoramento de gastos com energia e desenvolvimento de novos produtos.

Empresas e Indústrias

Nos setores empresariais e industriais, a Internet das Coisas vem sendo utilizada para a geração de negócios, aumento de receita e melhoria da produtividade. Isso porque a IoT fornece, em tempo real, dados assertivos sobre o funcionamento e o desempenho de equipamentos de trabalho. Como consequência, as empresas têm menos custos, alta disponibilidade e mais rendimento operacional ao aumentarem a confiabilidade de seus ativos.

Como podemos perceber, na prática, a tecnologia IoT pode ser bem mais simples do que imaginamos.

Cidades Inteligentes

Nas cidades, a tecnologia IoT pode ser adotada para acelerar muitos processos de transformação que se fazem necessários para tornar uma Cidade Inteligente.

Com o uso de tecnologias certas é possível proporcionar desenvolvimento urbano, além de transformar diretamente a mobilidade de uma cidade. Impactar a gestão estratégica, o uso da cadeia de água e até fazer prevenção de desastres são outras possibilidades. 

No Brasil, São José dos Campos (SP) é a primeira “Cidade Inteligente”. Para conquistar a certificação inédita no país, a cidade adotou uma série de medidas. 

Entre as iniciativas implementadas por nossa primeira “Smart City” está a instalação de 4 mil dispositivos que usam Internet das Coisas (IoT) para localizar vagas de estacionamento disponíveis aos motoristas do município.

Como até 25% do tráfego nos centros urbanos é composto por motoristas em busca de lugar para estacionar, a solução está ajudando a reduzir diretamente o fluxo de automóveis da cidade, pois monitora remotamente o local e aponta a existência das vagas.

Grandes Centros Comerciais

Em centros comerciais, como Shoppings Centers e Supermercados, a Internet das Coisas pode dar uma visão estratégica de administração para aprimorar a experiência do cliente. 

Isso é feito de maneira bem simples: indo desde o monitoramento de estacionamento até ao controle de temperatura dos ambientes.

Com sensores de climatização instalados em pontos estratégicos nestes lugares, é possível aproveitar os recursos da tecnologia IoT e trazer vantagens não só para os clientes como também para o próprio empreendimento comercial.

Isso porque, uma vez garantido o conforto térmico ao público, por exemplo, é possível ajustar o equipamento de climatização para funcionar de acordo com a necessidade do local. Isso vai impactar diretamente no consumo de energia, uma das contas mais pesadas em grandes empreendimentos. 

Saúde

Na área mais sensível da nossa sociedade em tempos de pandemia, os recursos tecnológicos de IoT permitem trazer soluções que podem, literalmente, salvar vidas. 

Entre eles,  há soluções já aplicadas na indústria farmacêutica para medir a temperatura ambiente e de equipamentos de refrigeração, indicar a umidade do ar e condições de  operação do  equipamento monitorando até mesmo a frequência de abertura e o fechamento de portas. 

Dispositivos IoT são capazes de evitar um tipo de notícia que, infelizmente é mais comum do que imaginamos: a perda de doses de vacinas (entre elas, a da COVID-19) por mau armazenamento. 

Making IoT Easy

Se analisarmos todos esses cenários de aplicabilidade, a tecnologia IoT já é importante em nosso contexto atual. 

Para se ter uma ideia, 80% das empresas brasileiras estão adotando ou pretendem adotar tecnologias emergentes como a Internet das Coisas em resposta ao impacto desta pandemia. É o que indica em um estudo realizado pela empresa Avanade.

E o que a torna única é o seu trabalho em geral. Para atuar, a tecnologia IoT não requer infraestrutura. Ela precisa apenas de conexão com uma das redes sem fio dedicadas à IoT, já disponíveis no Brasil e pode ser feita a baixo custo. 

A chegada do 5G afetará o mercado de IoT

Mesmo com um campo grande de atuação, a tecnologia IoT ainda tem seus desafios. Entre eles, ampliar as condições de cobertura de redes dedicadas às conexões de dispositivos IoT para melhorar a conectividade.

Há expectativa de que com a chegada do 5G, o mercado da Internet das Coisas será positivamente impactado. As velocidades das conexões serão mais altas e terão menor latência do que o 4G. 

Isso significa não apenas uma melhora na qualidade de entrega da IoT. Nessa conjuntura, quem trabalha neste setor tecnológico testemunhará um aquecimento de mercado jamais visto.

Isso é o que indica o Insider Intelligence – uma empresa de pesquisa de ponta com foco na transformação digital. De acordo com a pesquisa, espera-se que cada vez mais campos industriais invistam em automação e ambientes interconectados. Em 2023, os investimentos anuais com soluções de fabricação, montagem e IoT devem chegar a US$450 mi.

A Internet das Coisas já está presente em muitos segmentos e a tendência é que o setor avance diante dos desafios de um mundo em constante transformação e em frenética geração de dados. 

Cada organização que entra no mundo da Internet das Coisas se encanta com esse universo de possibilidades. Mas para chegar ao ponto de colher os resultados que ela tem potencial de alcançar, é essencial contratar fornecedores adequados para a missão. De preferência, aqueles que não apenas implementam a tecnologia, mas que também a desenvolvam. 

Com isso, aquela primeira impressão de que IoT é algo desconhecido e complexo fica cada vez mais distante. Sendo empresa, indústria ou cidadão, podemos dizer que essa tecnologia está ao alcance de todos da forma como deve ser: simples e barata.

Artigos Relacionados

Crédito da foto: Heart photo created by rawpixel.com – www.freepik.com

Guilherme Azevedo

Guilherme Azevedo é fundador e CTO da Sigmais