Durante o ano de 2020 as fintechs brasileiras captaram pelo US$ 1,5 bilhão em investimentos, de acordo com levantamento realizado pelo portal Inovação Aberta na base de dados de fintechs do Distrito. O montante considera os números divulgados dos 94 deals anunciados e monitorados durante o ano, e está 36% acima de 2019.

O número de rodadas realizadas foi 14% menor que em 2019, mas os valores por rodada foram maiores. Por isso, enquanto as rodadas acima da série C cresceram 100%, as de investimento anjo, pré-Seed e Seed caíram 41%.

As maiores rodadas de investimento, sem considerar aquisições, foram:

  • Nubank: US$ 300 milhões
  • Neon: US$ 300 milhões
  • Creditas: US$ 255 milhões
  • C6 Bank: US$ 241,6 milhões
  • Conductor: US$ 150 milhões
  • Nelogica: US$ 102,2 milhões
  • Superlógica US$ 66,5 milhões
  • Pontte US$ 30 milhões
  • Iugu: US$ 22,5 milhões
  • Warren: US$ 18,9 milhões

Também foram realizadas 21 aquisições de fintechs no ano, 200% acima de 2019. Além de operações cujo valor não foi anunciado, como a da Rapidoo pela One7 e da Flipper e Antecipa pela XP, destacaram-se as aquisições da Vindi pela Locaweb, da PinPag pela Linx e da Koin pela Decolar. Também no final do ano foi anunciada aquisição do Hub Fintech pelo Magazine Luiza e da Parati pela Ame.

A base de dados do Distrito monitora 847 fintechs brasileiras, que somam 46 mil funcionários. Destas, 555 atuam no modelo de negócio B2B, 143 são de meios de pagamento e 81 atuam na gestão financeira.

Fintechs captam R$ 7,3 bi no segundo semestre

Outro levantamento, do SlingHub, aponta que as fintechs brasileiras captaram R$ 7,3 bilhões no segundo semestre. Dezembro foi o melhor mes da série, com R$ 2,8 bilhões. Neste mês foi realizada a captação de US$ 255 milhões da Creditas.

Leia as últimas notícias no Inovação Aberta

Crédito da foto: divulgação Nubank

Paulo Roberto Silva

Paulo Roberto Silva é jornalista e empreendedor. Graduado em Jornalismo pela ECA USP e mestre em Integração da América latina pelo PROLAM USP.