A BRF fez uma parceria com a startup israelense Aleph Farms para produzir produtos diretamente a partir das células dos animais. Essa inovação, chamada de carne cultivada, é um exemplo de agricultura celular, e uma nova forma de produzir proteína animal. Ela surgiu com o desenvolvimento da biotecnologia na produção de alimentos.

“A BRF terá um papel de destaque nessa revolução alimentar, a maior transformação da indústria alimentícia dessa geração. Desde 2014, temos testemunhado uma crescente demanda global por novas fontes de proteína impulsionadas por diversos fatores, como preocupações ambientais, novas dietas e estilos de vida, que impulsionam o crescimento dos estilos alimentares, incluindo as dietas flexitarianas e vegetarianas em todo o mundo”, ressalta o CEO da BRF, Lorival Luz.

Além do co-desenvolvimento e produção, a BRF também distribuirá produtos de carne cultivada no Brasil. Pesquisas com consumidores brasileiros estão em andamento e a ideia é oferecer produtos desse tipo ao mercado brasileiro até 2024. os produtos em carne cultivada podem ser hamburguer, almôndegas, embutidos como salsicha, ou mesmo steaks

A indústria de carnes cultivadas deve movimentar US$ 140 bilhões na próxima década, segundo projeções da Blue Horizon, que investe em proteínas alternativas. “Queremos investir em inovações neste segmento e trazer ainda mais progresso tecnológico ao mercado”, acrescenta Lorival Luz.

A produção de carne cultivada começa com a obtenção de células de alta qualidade de animais, porém sem o abate. As células são cultivadas fora do corpo do animal com o fornecimento de nutrientes e ambiente propício para o desenvolvimento. O processo automatizado e o ambiente estéril eliminam a necessidade de antibióticos e reduz muito o risco de patógenos ou contaminantes. Todo esse processo leva uma fração do tempo necessário para cultivar carne convencional com uma fração dos recursos que exige.

Em sustentabilidade, estima-se que para cada 1kg de carne bovina, gasta-se, em média 15 mil litros de água. A tecnologia empregada no cultivo garante economia de 70% nesse volume, evita o desmatamento e assegura maiores hectares de terra fértil, além de zero emissão de gases.

“Com a produção de carnes cultivadas sustentáveis ​​de alta qualidade, firmamos ainda mais nosso papel de agentes transformadores da indústria alimentícia, oferecendo as últimas novidades na produção de proteína celular e substitutos da proteína animal”, afirma Sergio Pinto, diretor de Inovação da BRF. “Nossa entrada neste segmento também impulsiona as pesquisas científicas no Brasil sobre o tema, o que é extremamente importante para a comunidade acadêmica, pois somos o quarto país em estudos sobre carne cultivada no mundo”, complementa o executivo.

“Estamos entusiasmados em unir forças com a BRF, líder global nas indústrias de alimentos e carnes. Esta nova parceria avança a estratégia da Aleph Farms para se integrar ao ecossistema existente, a fim de impulsionar um aumento mais rápido da carne cultivada e, eventualmente, levar a um resultado positivo. Estamos impressionados com o forte compromisso da gestão da BRF com a Inovação e a Sustentabilidade. Temos a convicção de que os valores compartilhados são a chave para uma parceria de sucesso e de longo prazo”, reforça Didier Toubia, cofundador e CEO da Aleph Farms.

Artigos Relacionados

Crédito da foto: Divulgação Aleph

Paulo Roberto Silva

Paulo Roberto Silva é jornalista e empreendedor. Graduado em Jornalismo pela ECA USP e mestre em Integração da América latina pelo PROLAM USP.