O Brasil conta com 66 govtech, ou seja, startups com propósito de gerar inovação para a gestão pública ativa, presentes em 29 cidades do Brasil. Somente no último mês, 16 novas startups foram fundadas, de acordo a pesquisa Startup Scanner, produzida pela Liga Ventures em parceria com a PwC. Entre os segmentos com mais soluções, estão Smart Cities (16,67%), Licitação e Contratos (10,61%), Transformação Digital (10,61%), Mobilidade Urbana (9,09%) e Saúde Pública (9,09%). 

O Startup Scanner é um mapeamento de negócios cujas propostas de valor foram desenhadas para solucionar problemas governamentais. Ele foi desenvolvido pela aceleradora Liga Ventures, com apoio estratégico da PwC e em parceria com a Meryt, govtech amazonense que se propõe a gerar dados e indicadores de desempenho dos servidores público. A ferramenta permite acompanhar de forma dinâmica a movimentação nos mais diferentes segmentos, com atualizações constantes e de forma gratuita, e foi pensada para facilitar a contratação de startups pela gestão pública, permitida pelo marco legal.

“As govtechs representam o lado bom do governo! Eficientes, transparentes, ágeis e com preços acessíveis, essas startups focadas nos problemas do poder público, que são muitos, podem não só melhorar a qualidade dos serviços, mas também impulsionar o ambiente de negócios como um todo por meio da transformação digital e da desburocratização. Inovar na gestão pública não é apenas trocar as peças, mas repensar a máquina; e é isso que as govtechs estão fazendo”, afirma Lucas Prado, cofundador da Meryt, que colaborou como consultor do mapeamento.

“Existem dezenas de startups que podem ser apresentadas como govtechs, mas para esse estudo em específico buscamos soluções com propostas que gerem valor para o governo, e com negócios escaláveis. O intuito é fazer com que essas soluções tenham mais visibilidade, para que de fato cumpram seu papel, auxiliando na gestão mais eficiente dos órgãos governamentais”, conta Raphael Augusto, diretor de inteligência e estudos de mercado e Startup Hunter da Liga Ventures.

Este mapeamento da Startup Scanner tem como base o banco de dados da Liga Ventures, com mais de 25 mil startups e que conta com diversas fontes, como inscrições para os programas de aceleração, estudos do Liga Insights, eventos que promovem todos os anos, recomendações de parceiros externos, notícias em portais de negócios, bases abertas, indicações diretas e busca ativa

“O nosso apoio estratégico à Startup Scanner veio reforçar o nosso movimento aqui no Brasil para ampliar nossas expertises dentro do mundo de inovação aberta e startups, representando um importante passo para a construção de novos caminhos, ativos e soluções. E, o setor público, também é um importante ator neste cenário”, comenta Luiz Ponzoni, sócio líder da área de New Ventures and Innovation da PwC no Brasil.

Artigos Relacionados

Crédito da foto: Technology photo created by rawpixel.com – www.freepik.com

Paulo Roberto Silva

Paulo Roberto Silva é jornalista e empreendedor. Graduado em Jornalismo pela ECA USP e mestre em Integração da América latina pelo PROLAM USP.