O Brain, hub de inovação do grupo Algar, anunciou as 5 startups de IoT (internet das coisas) selecionadas para o seu programa de inovação aberta Brain Open. O desafio é conduzido em conjunto com a HARDS, aceleradora de hardware e software com foco na evolução de startups no segmento da Indústria 4.0.

O programa contou com 68 inscrições de empresas com atuação nas áreas de Inteligência Artificial, Automação, Analytics, Big Data, Block Chain, entre outras. Do total de inscritas, 16 passaram para uma segunda etapa, que envolveu um processo de mentorias com executivos da Algar Telecom e do Brain. Após essa fase, foram selecionadas cinco finalistas:

  • Al Consult – RJ: Que tem foco no desenvolvimento de soluções customizadas em Inteligência Artificial, Machine Learning e Data Analytics;
  • Connectdata – SP: Com solução para automatização da coleta de dados, por meio de uma plataforma de hardware híbrido e modular, gerando uma análise automatizada para antecipação das falhas e desvios;
  • Data Rudder – SC: Focada em orientar clientes na tomada de decisão baseando-se em dados, a partir de análise automatizadas e modelos de auto machine learning;
  • Hence – MG: Que atua com a Plataforma N-Hence Manufacturing, que auxilia na tomada de decisões para redução de pelo menos 50% de produtos defeituosos;
  • Payface – SC: Provedora de início de pagamento por meio de reconhecimento facial.

A HARDS foi responsável pelo processo seletivo e, agora, junto com o Brain, apoiará as startups em um processo de aceleração “pocket”, voltado para o desenvolvimento de Business Cases para a Algar Telecom. Os negócios serão refinados a partir de workshops, mentorias sob demanda e provas de conceito. Com isso, as startups/empresas estarão preparadas para o Demoday, evento que marcará o encerramento do programa.

Após a apresentação final, todas as cinco poderão ser escolhidas e dar continuidade ao trabalho com a Algar Telecom, garantindo a escalabilidade do seu negócio. “Nosso interesse é que elas se tornem nossas parceiras para o desenvolvimento de novos negócios e produtos em conjunto. Por isso, escolhemos startups e empresas com potencial de tratamento de dados em larga escala e interesse em ter seu negócio escalado por meio de parceria com uma sólida empresa de telecom, que dará acesso a uma ampla base de clientes B2B”, explica Zaima Milazzo, presidente do Brain.

Ainda segundo a executiva, uma vez que o programa tem sido um sucesso, os empreendedores já podem aguardar por novas edições do Brain Open em 2021.

Leia as últimas notícias no Inovação Aberta

Crédito da foto: Divulgação Algar

Paulo Roberto Silva

Paulo Roberto Silva é jornalista e empreendedor. Graduado em Jornalismo pela ECA USP e mestre em Integração da América latina pelo PROLAM USP.